Virgem em trono com o Menino Jesus, S. João Batista e quatro anjos (Madona Manchester)

Registro inventarial: NG 809

Além das três ou quatro esculturas realizadas por Michelangelo durante sua primeira estada na Urbe (1497-1501) – o Baco*, o Apolo/Cupido*, a Pietà* e talvez o assim chamado Arrotino* -, Vasari, Condivi e o Anonimo Magliabechiano atestam o episódio do cartão de um São Francisco recebendo os estigmas, executado para o barbeiro … Continue lendo...

Virgem em trono com o Menino Jesus, S. Francisco, S. Domingos e anjos

A Virgem em trono deriva em diversos aspectos da Maestà de Cimabue nos Uffizi. Sem ser muito rara, a presença de um S. Francisco e de um S. Domingos não é propriamente usual na iconografia mariana, haja vista a proverbial rivalidade entre as duas ordens religiosas.

Proveniente da Coleção do Príncipe Contini Bonacossi, ela foi atribuída a Cimabue por Roberto … Continue lendo...

Virgem em trono com o Menino Jesus, Anjos e Profetas (Madona Trinita)

“Na “”Vida de Cimabue””, Giorgio Vasari refere-se a este grande retábulo nos seguintes termos:

Avendo poi preso a fare per i Monaci di Vallombrosa nella badia di S. Trinita di Fiorenza una gran tavola, mostrò in quella opera, usandovi gran diligenza per rispondere alla fama che già era conceputa di lui, migliore invenzione e bel modo nell´attitudini d´una Nostra Donna Continue lendo...

Virgem em trono com o Menino e seis Anjos (Madonna Rucellai)

Já em finais do século XIV se havia perdido o conhecimento da autoria desta que é a obra-prima da primeira maturidade de Duccio di Buoninsegna (1255-1319), como o atesta um comentador anônimo de Dante que a atribui a Cimabue, atribuição seguida, por exemplo, por Vasari em 1568, que a ela se refere com verve anedótica:

Fece poi per la chiesa Continue lendo...

Virgem em trono com o Menino e seis Anjos

Registro inventarial: inv. 254

A obra entra no Louvre em 1813. Na primeira edição de sua
“Vida de Cimabue” (1550), Giorgio Vasari não a menciona. Na
segunda edição de 1568, contudo, a ela se refere nos
seguintes termos:

Avendo poi Cimabue per la medesima chiesa [S. Francesco
in Pisa] fatto in una tavola grande l´immagine di Nostra
Donna col Figliuolo
Continue lendo...

Virgem da Humildade (Madonna Contini Bonacossi)

“Registro inventarial: inv. 9922

Quando apresentada na Christie´s de Londres em 1930, a obra foi atribuída por Roberto Longhi a Masolino da Panicale (1383c.-1447c.) e adquirida por Alessandro Contini Bonacossi segundo aconselhamento de Longhi, vindo a entrar nos Uffizi em 1954 após ser adquirida por Herman Goering em 1942. Ela
apresenta repinturas sobretudo nas áreas de junção das pranchas do … Continue lendo...

Tríptico Cagnola

Registro inventarial: inv. N. 9258

Assinado: JACOBUS DE CASENTINO ME FECIT

Conhecido como Tríptico Cagnola (do nome de seu antigo
proprietário, Guido Cagnola, que o doou aos Uffizi em 1947),
o presente tríptico representa, ao centro, a Madona e o
Menino Jesus ao trono entre quatro anjos, SS. Bernardo e S.
João Batista. Nas abas laterais, S. Francisco recebendo os … Continue lendo...

Tondo Doni. Detalhe: a cabeça da Virgem

Levi d`Ancona [1968:43] detecta na preeminência visual da Virgem a chave da interpretação iconológica da obra, no âmbito da controvérsia entre maculistas (dominicanos) e imaculistas (franciscanos), relativa à doutrina da Imaculada Concepção de Maria.

Esta doutrina foi proclamada pelos franciscanos e promulgada em 1480 por Sixto IV, ele próprio um franciscano, na forma de uma Festa da Imaculada Concepção da … Continue lendo...

Tondo Doni

“O tondo é uma encomenda provavelmente motivada, quer pelas núpcias de Agnolo Doni e de Maddalena Strozzi em janeiro de 1504, quer pelo nascimento de seu filho, em 1506. Entre 1503 e 1506 incide a maioria das propostas de datação da obra.

Há, entretanto quem o date de 1507-1508, imediatamente antes ou em concomitância com os afrescos da abóbada da … Continue lendo...

Sepultamento de Cristo

Registro inventarial: NG 790

O sepultamento do Cristo é narrado nos quatro Evangelhos,
mas apenas João (19,38) refere-se às personagens que dele
participam:

“Depois, José de Arimateia, que era discípulo de Jesus, mas
secretamente, por medo dos judeus, pediu a Pilatos que lhe
permitisse retirar o corpo de Jesus. Pilatos o permitiu.
Vieram, então, e retiraram o corpo. Nicodemos, aquele … Continue lendo...